A VERDADE SOBRE O MAGO DEDI

O mágico/mago Dedi é considerado por muitos como o Pai da mágica, já que ele é primeiro mágico a ser registrado na história. Porém, como toda boa história, há muito de lenda, muito de floreio e muito de má interpretação por trás de sua história. Este post tem por objetivo falar um pouco sobre esse personagem tão ilustremente desconhecido.

Quem foi Dedi?

Dedi (também escrito Djedi ou Djedy) é o nome de um profeta e mágico de um conto do Antigo Egito,  registrado no período de Khufu conhecido como “Os Papiros de Westcar”, que registra 5 histórias de performances executadas por sacerdotes e mágicos egípcios. Segundo este documento, Dedi seria capaz de decapitar um pássaro e depois religar a sua cabeça ao corpo, trazendo-o de volta à vida. Ainda segundo a história, foi proposto que fizesse o mesmo com criminosos condenados. Dedi educamente recusou, usando a seguinte frase: “Certamente que não é permitido fazer tais coisas com o rebanho nobre“. Por rebanho nobre, Dedi se referia a humanidade.

Também é atribuído a Dedi rotinas com covilhetes (cups and balls), sendo até hoje divulgada uma imagem onde ele supostamente estaria executando essa rotina. Porém, existem alguns problemas na interpretação dessa figura:

* A imagem representaria não mágicos, mas sim padeiros em seu ofício. Ou seja, ao invés de covilhetes, o que se tem são pães sendo amassados;

* Essa imagem foi encontrada nas Tumbas de Beni Hassan. Essas tumbas foram criadas entre os séculos 20 e 17 antes de cristo. Os papiros de Westcar só apareceram entre os séculos 18 e 16 A.C. Por isso, é pouco provavel que os desenhos na tumba se refiram especificamente a Dedi;

* Quem executa essa rotina sabe que a fazê-la no chão não é ergonômico, tampouco prático;

* Por fim, estudiosos e historiadores da mágica creditam aos romanos a criação da mágica dos covilhetes, pelos acetebularii. Assim, seria impossível Dedi estar executando uam rotina que ainda não havia sido criada.

Suposta gravura de Dedi executando covilhetes. Na verdade a imagem trata de padeiros fazendo pão.

 

O que os Papiros de Westcar Contam Exatamente sobre Dedi?

Segue abaixo uma tradução do inglês da história de Dedi, retirada dos pergaminhos de Westcar. A tradução foi adaptada para clarificar alguns pontos obscuros e para uma melhor fluência na leitura, sem no entnato alterar a hsitória original.

-x-

Seu nome é Dedi“, respondeu o príncipe Hordadef. “Ele é um homem velho, dizem ter 110 anos. Todos os dias ele come metade de um boi, cinco centos de fatias de pão, além de beber uma centena de jarros de cerveja. Ele é capaz de arrancar a cabeça de uma criatura viva e depois restaurá-la; ele é capaz de fazer um leão obedecê-lo; e ele conhece os segredos da morada do deus Toth, o qual Sua Majestade tem desejo de conhecer para que possa construir as cãmaras de sua pirâmide de acordo“.

Rei Khufu respondeu: “Vá e traga esse homem até mim, Hordadef

O príncipe desceu o Nilo, costeando as margens com um barco e navegou ao sul, até encontrar uma cidade chamada Dedsnefru, onde Dedi habitava. Ele seguiu pelo litoral, carregado em sua liteira até a casa do mágico, que estava sentado à soleira da porta de sua casa. Quando Dedi percebeu a comitiva, foi saudado pelo príncipe que lhe pediu que não levantasse, devido a sua grande idade. O príncipe disse: “Meu Real Pai deseja honrá-lo e dar uma tumba no meio de seu povo“.

Hordadef ajudou Dedi a se levantar e, tomando-o pleo braço, guiou-o até seu navio. Dedi navegou em companhia do príncipe, enquanto em outro navio seguiam os assistentes e os livros de mágica de Dedi.

Saúde e força e plenitude sejam teus“, disse Hordadef quando se prostrou perante seu pai real, o Rei Khufu. “Eu voltei, e trouxe comigo Dedi, o grande mágico.” O Rei se alegrou com a notícia e disse: “Tragam o homem até minha presença“.

Dedi veio e saudou o Rei, que disse: “Por que é que eu nunca vi você antes?

Ele foi designado para o chamado” respondeu o velho homem; “Você o enviou para mim, e aqui estou.

É dito“, Rei Khufu continuou “que você pode restaurar a cabeça que fora arrancada de uma criatura viva.

Certamente que eu posso, majestade” respondeu Dedi.

O Rei respondeu: “Então, chamem aqui um prisioneiro para ser decapitado.

Eu preferiria que não fosse um homem” disse Dedi; “Eu não faço isso com gado real, majestade

Então um pato foi trazido até Dedi que cortou a cabeça do pato fora, jogando a cabeça para a direita e o corpo para a esquerda. Dedi falou algumas palavras mágicas e então a cabeça e o corpo foram unidos e o pato e levantou e grasnou em alto som. O mesmo foi feito em seguida com um ganso.

Rei Khufu então insitiou que trouxessem uma vaca e que sua cabeça fosse cortada. Dedi restaurou o animal outra vez e além disso, fez com que ele o seguisse, ou seja, que pisasse exatamente nos mesmos lugares que ele pisava. Sua Majestade então, pediu a Dedi: “É dito ainda que você possui os segredos da morada do deus Thoth.

Ao que Dedi respondeu: “Eu não os possuo, mas onde eles estão guardados e que estão dentro de uma câmara em Heliópolis. Lá as plantas estão guardadas em uma caixa, mas não há ninguém digno, que consiga  trazê-los à Sua Majestade.

Não há mesmo ninguém que consiga essas plantas para mim?” perguntou o Rei.

Dedi então profetixou que três filhos nasceriam de Rud-dedit, esposa do sumo-sacerdote de Rá. O mais velho se tornaria sacerdote-chefe em Heliópolis e tomarai posse das plantas. Ele e seus irmãos um dia se sentariam sobre o reino todo e governariam sobre toda a terra.

(…)

O coração do Rei Khufu se encheu de tristeza e preocupação quando ouviu as palavras proféticas do grande mágico. Dedi então respondeu: “O que se passa em sua mente, Ó Rei? Seu filho rienará após você e então o Filho dele também. Mas o próximo irá cair“.

E a história do pergaminho segue contando sobre os filhos de Rut-dedit

-x-

Por todos os elementos apresetnados aqui, é possível que a história de Dedi não passe de uma lenda. Seja como for, a história se encarregou de nomear Dedi como o primeiro dos mágicos. Verdade ou lenda essa história continuará encantando muitos por muitas outras gerações.

E, talvez, essa seja a maior mágica de Dedi…

Amplexos!

REFERÊNCIAS

http://www.reshafim.org.il/ad/egypt/texts/westcar_papyrus.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Westcar_Papyrus

http://en.wikipedia.org/wiki/Dedi

2 comentários sobre “A VERDADE SOBRE O MAGO DEDI

  1. Almagus

    Quem escreveu o papiro de Westcar refere-se ao mágico Dedi como contemporâneo do rei Khufu que reinou cerca de 2580 a.C.. Já as gravuras de Beni Hassan são posteriores em 5 ou mais séculos. Todos os mágicos aceitam que representam o jogo dos copos e bolas. Este, conhecido como o mais antigo número de mágica, pode perfeitamente ser feito no chão como se fazia e talvez faça ainda, na India, segundo o estilo próprio dos mágicos indianos. As opiniões concorrentes que dizem tratar-se de dois padeiros ou oleiros (na referida gravura) perdem o seu valor se tivermos em conta que outros desenhos existentes em redor deste, na mesma estela, representam tambem jogos e diversões que os egípcios usavam nos seus tempos livres ou em cerimónias mágicas.

    Curtir

  2. Pingback: Mágico Thiper | Dia Mundial do Mágico

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s